INFERTILIDADE MASCULINA: Causas e tratamentos em são paulo
DeRedação / Notícias / 0 comentários

Infertilidade Masculina: Causas, diagnóstico e tratamento de Infertilidade em São Paulo

A infertilidade masculina

A dificuldade de engravidar não pode ser encarada como um problema exclusivo das mulheres. Na realidade, em 40% dos casos de infertilidade a origem do problema está ligada a infertilidade do homem, outros 40% dos casos está ligado a infertilidade da mulher, e em 20% dos casos ambos os parceiros tem problemas de infertilidade. Por esse motivo é importante que em casos de dificuldade em engravidar, o casal procure ajuda médica e avalie as condições de saúde tanto do homem quanto da mulher.

A infertilidade masculina pode ter uma ou mais causas, sendo necessária a avaliação médica para determina-la e definir o tratamento mais adequado. Em cerca de 40% dos casos, a origem do problema está na varicocele, uma doença que prejudica os vasos testiculares. Entre outros fatores ligados à infertilidade masculina estão aqueles relacionados à baixa produção de espermatozoides, ou sua baixa qualidade, e obstruções e doenças físicas que impedem o fluxo do esperma para fora do pênis.

leia também: dúvidas frequentes sobre infertilidade

As Principais Causas da Infertilidade Masculina

As causas que levam à infertilidade masculina podem estar relacionadas à maus hábitos que tem impacto negativo na produção de espermatozoides, tais como: o uso de algumas drogas como maconha e cocaína; o uso de anabolizantes (testosterona); o hábito do tabagismo; a obesidade; a prática excessiva de exercícios físicos; o estresse; a má nutrição; e até mesmo a poluição.

Outras causas estão ligadas a doenças que interferem na produção do espermatozoide. São exemplos disso, os testículos criptorquídicos (testículos que ficam fora da bolsa testicular); alterações genéticas; a varicocele; e disfunções hormonais.

Além das causas já citadas, a infertilidade masculina pode ainda ter origem em outros problemas como: a presença de DST’s como a clamídia, a ureaplasma, a tricomoníase e a neisseria; a redução do número de espermatozoides por questões naturais de idade; a realização de vasectomia; a formação de espermatozoides anormais; a ausência de espermatozoides (azoospermia); entre outros.

Diagnóstico da infertilidade masculina

Dentre os exames realizados para a avaliação do potencial reprodutivo do homem, existem dois principais, o espermograma e o exame físico da bolsa testicular.

Através do espermograma é feita uma avaliação geral do sêmen analisando suas condições macroscópicas e microscópicas. Na análise macroscópica são avaliadas características como coloração, viscosidade, odor, volume e PH do sêmen. Enquanto isso, na análise microscópica são analisadas a morfologia, motilidade e a concentração dos espermatozoides. Há casos em que o espermograma revela a ausência de espermatozoides, problema conhecido como azoospermia.

Já no exame físico da bolsa testicular são avaliadas as condições dos testículos que podem influir na produção de espermatozoides como problemas no interior dos testículos, alterações de temperatura no local e outros problemas relacionados a bolsa testicular, como o mau posicionamento dos testículos e a varicocele.

leia também: mitos e verdades sobre infertilidade

Tratamento para infertilidade em São Paulo

Depois de realizado o diagnóstico, o médico especialista em reprodução humana irá determinar qual a melhor forma de tratamento, dependendo do caso podendo ou não reverter a dificuldade que impossibilita a fertilidade.

Quando os tratamentos realizados não têm efeito no aumento da fertilidade do homem, é possível utilizar outras técnicas que podem ajudar o casal a conseguir a gravidez, tais como a inseminação artificial, a fertilização in vitro e a injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI). Todas essas técnicas podem ser realizadas em São Paulo na Clínica de Reprodução Humana Dr. Amanda Volpato.

Na inseminação artificial o homem faz a coleta do esperma em laboratório por meio da masturbação e o material é preparado para ser aplicado em outro momento diretamente no útero.

Já na fertilização in vitro (FIV), os espermatozoides são colhidos da mesma forma, porém a fecundação é feita em laboratório, e os embriões formados são posteriormente transferidos ao útero. Recomenda-se a fertilização in vitro quando o homem apresenta uma alteração importante no sêmen, tais quais diminuição na quantidade, motilidade ou morfologia.

A injeção intracitoplasmática de espermatozoide é uma variação da FIV em que um espermatozoide selecionado previamente é injetado diretamente no citoplasma do óvulo, aumentando a possibilidade de fecundação.

 

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *