INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZOIDE (ICSI)

A injeção intracitoplasmática de espermatozoide consiste basicamente em injetar o espermatozoide diretamente dentro do óvulo para que a fecundação possa ocorrer. É um procedimento de reprodução assistida, indicado principalmente em situações em que o homem possui poucos ou nenhum espermatozoide no sêmen ou em casos nas quais as gametas tem pouca mobilidade.

A injeção intracitoplasmática de espermatozoide é também conhecida como ICSI e é comumente utilizada na técnica de Fertilização In Vitro.

INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZOIDE

Para que a injeção intracitoplasmática de espermatozoide seja realizada é necessário que seja feita a coleta dos gametas, tanto do homem, obtido através da masturbação, quanto da mulher, que fazem uso de medicamentos, prescritos por médicos, para a indução da ovulação, que só será coletado quando estiver em um tamanho adequado.

Existem caso em que os homens não apresentem espermatozoides no sêmen e é necessário que os mesmos sejam retirados diretamente dos testículos.

 

Quando a coleta é realizada, os gametas são levados para um laboratório, para que seja realizada a seleção de espermatozoides mais capacitados e cada um deles será injetado em um óvulo maduro, através de uma agulha bem fina e do auxílio do microscópio.

INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZOIDE são paulo

Após 18 horas desse procedimento, torna-se possível verificar se houve ou não a fertilização e depois de um tempo passa-se a observar o desenvolvimento do embrião. Quando tudo dá certo, os melhores embriões são introduzidos no útero da mulher, para que se inicie à gestação.

Benefícios:

  • O método não costuma trazer muitos efeitos colaterais;
  • As respostas são obtidas rapidamente;
  • Os riscos à saúde da mulher são diminuídos, tendo em vista que tudo ocorre fora de seu corpo até que o embrião esteja desenvolvido;