A inseminação intrauterina é um método de reprodução assistida, é uma técnica simples, ou seja, de baixa complexidade, porque não exige que a fecundação seja feita em laboratório (fecundação in vitro), o procedimento consiste na aplicação do sêmen dentro da cavidade vaginal, visando depositar os espermatozoides próximos ao óvulo, para que ocorra a fecundação.

A ovulação pode ser estimulada através de medicamentos, existem protocolos clínicos seguros e simples para definir a medicação que será utilizada.

Inseminação Intra-Uterina Inseminação Artificial (IIU)

Os espermatozoides do parceiro ou doador, são tratados em laboratórios, para separar os gametas mais ativos, visando aumentar a probabilidade da fecundação.

Algumas indicações para a realização da inseminação intrauterina

A indicação mais comum para este tipo de procedimento é para casais, no qual o homem apresenta leve alteração no espermograma, como quantidade reduzida ou baixa motilidade dos espermatozoides;

Homens que possuem ejaculação precoce;

Ejaculação retrograda, no qual o sêmen é direcionado para a bexiga durante o orgasmo, ao invés da ejaculação para o pênis;

Homens podem congelar espermatozoides antes de fazer a vasectomia, e depois podem utilizar a inseminação intrauterina;

Em casos que o sêmen provem de um doador de banco de sêmen;

Mulheres com anovulação;

Mulheres com alteração do colo uterino;

Existem outros tipos de indicação, que dependem de cada caso e será avaliado com a realização de consulta, exames clínicos e laboratoriais.